11 maio 2011

Comédia Italiana na Caixa


Cena de Nós que nos amávamos tanto, de Ettore Scola
A comédia foi realmente o gênero que mais se popularizou no cinema italiano. Outro motivo para ela ser tão celebrada é ter florescido com o grande movimento da sétima arte, o neorealismo.

Iniciado na década de 1940 e ganhando força na década seguinte, a escola cinematográfica surgiu a partir de filmes de nomes como Vittorio de Sica, Federico Fellini e Mario Monicelli, entre outros.
Os neorealistas trouxeram um grande marco para o cinema, deixando os estúdios de lado e colocando os atores e às vezes, nem atores, mas pessoas “comuns”, para atuarem na rua, coisa que não acontecia até então.
A Caixa exibirá a mostra Commedia all’italiana com longas que fizeram história e devem fazer parte de qualquer lista de filmes, até este domingo, dia 15 de maio A entrada é franca para todos os dias do evento.
No sábado (14), haverá um debate com o cineasta e professor Sérgio Moriconi e Hernani Heffner, diretor de conservação da cinemateca do MAM (Museu de Arte Moderna do Rio), às 18h. E um curso sobre comédia italiana será ministrado de terça a sexta, pela professora de USP, Roberta Barni. As inscrições devem ser feitas no site http://www.commediaallitaliana.com.br./

Durante a mostra, será lançado o livro Commedia all’italiana – primeira publicação sobre o gênero, que será editada no Brasil. Organizado por Kelly Santos e Raphael Fonseca, o livro é uma contribuição de pesquisadores brasileiros e italianos para o cinema internacional.

Dentre os filmes, selecionei três que você não pode deixar de ver:
Boccacio 70’ – o filme é divido em quatro episódios e consegue juntar os quatro maiores nomes da comédia italiana. Mario Monicelli dirige o “Renzo e Luciana”, onde um casal de operários não pode assumir a união, senão será mandado embora da empresa. Federico Fellini é responsável por “As tentações do Dr. Antonio”, um homem amargurado, que terá que conviver com um outdoor de uma bela mulher em sua janela. O diretor Luchino Visconti faz “O trabalho” e mostra a vingança de mulher contra o marido. Para finalizar, temos Vittorio de Sica com “A rifa”, sobre uma mulher que resolver fazer uma rifa e se dar como prêmio. Quinta-feira, dia 12/05, às 18h.

Nós que nos amávamos tanto – Na trama três amigos muito diferentes tem uma paixão em comum, Luciana, interpretada por Stefania Sandrelli. Passando pela história da Itália, o longa mostra como a vida desses três homens está 30 anos depois, quando se reencontram. A película tem grandes inovações de linguagem, como quando os atores falam para o espectador, olhando para a câmera. O filme é considerado a obra-prima de Ettore Scola e traz uma homenagem a Federico Fellini, o próprio Fellini, Marcelo Mastroianni e Vittorio de Sicca fazem participações interpretando eles mesmos. Sábado, dia 14, às 20h.

O Incrível Exército de Brancaleone – Dirigido por Mario Monicelli é considerada a comédia mais “pastelão” do movimento, porém tem tiradas muito inteligentes e críticas ácidas ao feudalismo e à Igreja Católica. Inspirado na história de Dom Quixote, o longa mostra a cavalaria medieval passando pela guerra, peste e fome, que marcaram o século XIV. O grupo de atores ficou bastante conhecido no mundo todo pelo tipo de comédia que fazia. Domingo, dia 15, 16h.

Trailer de O Incível Exército de Brancaleone

Nenhum comentário: