26 janeiro 2011

Pato Fu no Ibirapuera


São Paulo está completando seus 457 anos de idade e quem ganha o presente é você! Parece até um clichêzão, mas em se tratando de São Paulo isso é bem verdade. Tanto, que entre as apresentações de graça que rolaram no Parque do Ibirapuera estava o Pato Fu e sua música de brinquedo.

O show do nono disco do grupo deveria ter passado por Brasília em dezembro, mas sabe-se lá porque foi cancelado de última hora. Talvez o choque com de Tom Zé no FITO tenha feito a produção desistir do Pato Fu. Faz sentido, pelo menos.

Em São Paulo, o show foi ao ar livre e deixado de muito sol. Por isso, logo no começo do show, uma Fernanda Takai meiga e preocupada falou: “Quem não passou protetor solar aí? E quem passou? Então, gente, quem tem protetor solar, empresta para quem não passou”. Realmente assistir ao show sem protetor solar era um problema, até mesmo com ele eu fiquei com marcas de sol.

Outra presença marcante foi das crianças, que estavam alegres e contentes com o show cheio de parafernálias e mais os bonecos Groco e Ziglo fazendo todo o tipo de brincadeira e cantando junto com o grupo.

Entre brincadeiras e músicas, o Pato Fu levou de maneira leve e doce esse novo show, orquestrados por Fernanda Takai e sua voz doce e John Ulhôa e suas invenções. Mas se podemos confirmar alguma coisa, essa coisa é que quem manda na relação mesmo é a Takai. Antes da apresentação de uma das músicas, ela pediu que alguém gravasse a música seguinte para que o Paul Mccartney pudesse ver a versão deles para “Live and Let Die”. John atrapalha dizendo: “Acho melhor você pedir para o Erasmo e o Roberto, porque não é essa música”. Ela, muito educada pergunta se eles podem trocar, John diz sem jeito que é melhor não e Fernanda bate o martelo: “Não, mas a gente vai trocar sim”.

A versão é ótima, colorida e impactante como a de Paul ao vivo, mas claro que em menores proporções. O show é divertido e ainda ganha versões de músicas do próprio Pato Fu, como a conhecida “Eu” (que na verdade é do Graforréia Xilarmônica).

Nenhum comentário: