17 agosto 2010

Kele - The Boxer


De parecido com o Bloc Party, só mesmo a voz de Kele Okereke. Isso é mais ou menos o que podemos dizer da nova empreitada do vocalista do grupo britânico. The Boxer soa como um disco que foi feito única e exclusivamente para às pistas, e nele, Kele parece se libertar de alguns “empecilhos” que o impediam de levar o seu verdadeiro gosto musical a frente. Trabalho esse que foi parcialmente demonstrado em Intimacy, último disco da banda, hoje em hiato.

Assim como os demais integrantes do Bloc Party (que inclusive já tem trabalhos lançados. Caso do guitarrista Russel Lissack que trabalhou no 1º disco do projeto Pin Me Down, ou do baixista Gordon Moakes que junto com integrantes do The Automatic e La Roux, para formar o Young Legionnaire), Kele dá o pontapé inicial com seu The Boxer.

A abertura já é com a eclética “Walk Tall”, e logo depois, o eletro inocente de “On The Lam”. O álbum não é propenso a hinos, como os trabalhos anteriores de Kele no Bloc Party, mas traz surpresas. Como a explosiva “Tenderoni”(veja o videoclipe abaixo), que foi altamente criticada, por grande parte do público (provavelmente pelo papelão feito pelo eles em uma certa premiação), e “Unholy Thoughts”, que entre as 11 músicas, talvez seja a que mais lembre a banda britânica.

Parece que a mudança na relação com a imprensa, o fato de ter assumido a sua sexualidade e uma série de outros fatores, fizeram bem ao seu processo criativo, que andava em falta no Bloc.

Mesmo que não seja um disco de Indie, ou coisa do gênero, The Boxer tem pitadas de todos os trabalhos dos britânicos. Muito provavelmente por que um tenha muito de outro e vice-versa. Porém, em The Boxer, o que sobressai mesmo é somente Kele, sem o Okereke.

Nenhum comentário: