15 abril 2009

Entrevista - Instiga

Topamos com o novo CD do Instiga, Tenho Uma Banda, e a curiosidade sobre a banda tomou conta de nós. Além de pesquisar um pouco sobre eles, resolvemos fazer uma entrevista com eles. O vocalista da banda Christian Camilo topou conversar com a gente e aí embaixo vocês encontram o resultado.

Drops Cultural: A banda já tem seus 8 anos de vida e nesse tempo sofreu alguma mudança de integrante? E no som de vocês? Quais foram as grandes mudanças?

Christian Camilo: A banda passou por algumas mudanças, aliás, em cada disco a formação teve uma diferença. Em 2004, após gravar o Máquina Milenar, o Guilherme Molina deixou o grupo para se dedicar ao curso de Engenharia e nessa convidei o Gabriel Duarte para se juntar a mim, ao Heitor e ao Pedro. Produzimos nessa formação o Menino Canta Menina e os primeiros esboços do Tenho uma banda (este terceiro gravamos e produzimos a maior parte em trio, o Heitor foi para a Bélgica no início de 2008 e sua participação na produção foi por email...)
Heitor voltou da Bélgica, mas ele não seguiu como ‘titular’ no Instiga... Às vezes ele aparece nos shows, mas anda estudando e trabalhando muito na pós de Economia...
A formação atual , que tem ido fazer shows conta comigo na guitarra, Gabriel Duarte no baixo e efeito, e Sérgio Lombardi na sanfona e bateria.

Drops Cultural: Como que vocês definem o som de vocês? E quais as principais influências da banda?

CC: Estamos dentro do rock. Acho que dentro do que chamam de ‘indie’. As principais influências são bandas de rock alternativas. Escutamos muita coisa diferente e isso incluí até compositores eruditos....

Drops Cultural: A Instiga foi a primeira banda sul-americana a entrar na programação da rádio Woxy. Vocês têm idéia de como isso aconteceu?

CC: Sim, na verdade eu mesmo mandei um e-mail pra rádio falando “olha, tenho uma banda...”. Eles gostaram e tocaram...simples!

Drops Cultural: Vocês também participaram do "The Next Big Thing", concurso da BBC, que leva as bandas para se apresentarem em Londres. A sensação de ter passado pelo crivo da rádio deve ter sido ótima. Mas contem para a gente um pouco dessa experiência. Vocês sabem se também conseguiram entrar na programação deles?

CC: Não sei muito bem o que isso gerou. Um dos produtores do ‘programa’ disse que havia discotecado numa noite (me mandou por email isso).
Foi muito empolgante participar do concurso, mas ao mesmo tempo, isso pode ser um pouco estressante para bandas inexperientes.

Drops Cultural: As músicas de vocês são muito irreverentes. Da onde vem a inspiração?

CC: Vem de coisas que gostamos, de idéias que inicialmente parecem distantes da música como um filme, uma situação cotidiana... Poderiam ser como ‘tirinhas’ em formato de música.

Drops Cultural: O último CD de vocês, Tenho uma banda (2008) está na internet para download gratuito. Por que a escolha de fazer um lançamento independente? Vocês acham que assim ganham mais liberdade?

CC: Lançar independente foi a estratégia possível. Temos mais liberdade e vislumbramos um retorno a longo prazo. Nossa música felizmente está acessível para ser a ponte entre a banda e seu público.

Drops Cultural: O download gratuito com certeza ajuda na divulgação da banda, mas quais as medidas vocês tomaram para divulgar o download?

CC: A principal foi ter ‘em conta’ algumas informações das pessoas que baixaram a discografia da banda. Eelas se cadastram no site e assim vamos ampliando nossa rede de relacionamento.

Drops Cultural: Como se manter tanto tempo no meio independente? Vocês podem dar algumas dicas para as bandas que estão começando?

CC: Invista no seu trabalho, se dedique a ser um bom compositor, um bom músico. Aprenda com seus erros e experimente sempre novas atitudes, novas propostas de show, de evento.
Quanto mais experiência e habilidade você conseguir ter, mais facilidade terá para se manter de música podemos citar muitos trabalhos possíveis: eventos, shows, gravação, ensaios, design, produção , clipes, fotografia, atividades profissionais que existem e atendem um nicho que cresce muito rápido no Brasil.

Drops Cultural: Agenda. Onde o Instiga vai tocar por agora? Alguma pretensão de vir à Brasília?

CC: Pretensão sim. Estivemos em Brasília no festival El Mapa de Todos ano passado. Quem sabe apareça algo em 2008.. Seria ótimo! Temos shows em São Paulo em abril e em Campinas em Maio. Estamos tocando bastante pelo estado de São Paulo por hora.

Fique agora com o último videoclipe da banda, "Aquela da Cachorrinha":



Lembrando que o Instiga é a atração do Cult Brasil, dentro do programa Cult 22. Como vocês já cansaram de saber, o Cult 22 vai ao ar todas às sextas-feiras, de 22h a 1h da manhã na Rádio Cultura Fm (100,9 MhZ).

Entrevista publicada também no Bloodypop.

Nenhum comentário: