20 agosto 2008

Porão do Rock - Sábado

No sábado, a Arena do Rock já estava finalizada. Foi durante os shows da sexta-feira que os últimos retoques foram dados. O Porão estava previsto para começar às 16h, com o sol ainda a pino, mas acabou abrindo seus portões apenas uma hora depois com o show dos Gilbertos Come Bacon começando.
Estavam na minha lista de bandas para cobrir Gilbertos, Sapatos Bicolores, Papier Tigre e Supergalo. Até o final da noite, isso iria mudar, mas não falaremos disso agora.
Mesmo com o sol ainda quente e pouco público (haviam mais jornalistas do que fãs e/ou curiosos), os meninos não desanimaram. Tocaram só músicas autorais, que realmente chamaram atenção com sua mistura de hardcore com música africana e brasileira, que eu tenho que admitir, lembra mesmo Tihuna. Mas um Tihuna melhor.

No Palco Principal a notícia era de que a Sick City não iria tocar mais aquela noite. A banda alemã alegou problemas com o visto. Coisa que ainda não me desceu. Assim, tivemos uma troca de horários. A primeira da noite. O show da vez seria então da Vai Thomaz no Acaju, banda formada por uma mistura dos “Móveis”, Gabriel Thomaz (hoje no Autoramas), Marcelo Vouraiks (ex-vocal do Maskavo Roots), Natinho (Radical Sem Dó) e o Pinduca, do extinto Prot(o).

O Vai Thomaz foi um prato cheio para os brasilienses que viveram na cena rockeira dos anos 90. Ouvimos versões óbvias para músicas do Maskavo e Little Quail and the Mad Birds e até Raimundos. Pena que na escalação eles tocaram tão cedo e ganharam uma platéia tão pequena. Uma dica para os organizadores: Poucas são as pessoas que chegam cedo em qualquer show que seja.

Depois veio um dos shows mais esperados para mim dessa noite, Canastra. O grupo carioca (da gema) munido do baterista Barba tocou músicas principalmente de seu segundo (e último) Cd, Chega de Falsas Promessas. Eu, por minha vez, não parava de gritar “Capuchino”, que foi tocada.

Na entrada da noite, os Sapatos Bicolores subiram no palco. O trio realmente destoou do que vinha sendo apresentado no Porão nos três palcos, mas fez até um show bacana. Cunhado no rockabilly, os meninos mostraram músicas do Cd que deve sair ainda este ano. Sem esquecer, é claro, das músicas conhecidas, como “A Garota Cor de Fogo”.

Seria então a vez dos argentinos do The Tandooris. Só que eles acabaram perdendo o avião. Seguimos para a nossa segunda mudança de cronograma. O Papier Tigre acabou no lugar dos meninos. Daí, Lucy and the Popsonics deixando o duo de lado e formando um trio (?). E sim, o The Tandooris, direto do aeroporto para o palco. O show foi bem legal, no mais velho estilo rock and roll. Os meninos podem entrar para o time do Black Drawing Chalks. Eu continuo não concordando que eles toquem punk.

Veio Autoramas com seu roooooooock, Mundo Livre S/A com Fred04 tocando rock com cavaco (acreditem foi real!), num show curto que deixou um gostinho de “quero mais!”. E o mais polêmico show da noite, Supergalo. Eu não ia falar nada sobre eles, mas vá lá.

Supergalo é uma banda que não traz nada de novo. Os caras fazem o que qualquer outra banda de pop rock brasileira faz hoje em dia. As letras são fracas, ou melhor, fraquíssimas! E nenhum deles é bonitinho, para deixar a gente feliz. Finalizando e não, eu me recuso a falar dessa banda de novo, porque eles não merecem ser citados aqui. Preste atenção apenas nisso: Gustavo Sá – um dos produtores do Porão e Alf Sá – vocalista do Supergalo, ex-Rumbora.

Pitty no seu, como sempre, show para adolescentes com emoções a flor da pele. E o tão esperado e lindo show do Muse. Como já falamos deles ali embaixo, se quiser, dá uma relida lá.

Pena ter perdido os shows do Palco Pílulas. Se foi o The Pro e as já citadas Super Stereo Surf, O Círculo, Nancy, Janicedoll...

No balanço geral, esse Porão teve muitas atrações boas, mas tiveram outras que nem deveriam ter entrado para a lista de possíveis atrações. Foi terrível não ter variedade de comida e optar apenas pelo sanduíche “xexelento” e caro do Giraffa's.

No fim, esse fi só o começo. Esperamos que ano que vem, as microfonias, grades, tamanho da arena e claro a comida, estejam melhores do que neste ano. E que eu trabalhe lá denovo, porque é bom para c*r*lh*!!!

Fotos: Patrick (fotográfo do Porão).

2 comentários:

alf disse...

traz não tem acento e nem termina com s

Alê dos Santos disse...

Consertado. Obrigada, por nos ler.