30 junho 2008

Meninas...

Hoje acordei me sentido menininha.Até faixinha no cabelo eu coloquei, por isso resolvi colocar meninas para tocar por aqui.
Já tinha visto o vídeo "Hitten", do Those Dacing Days na Dani e não dei tanta atenção assim. São 05 meninas suecas, branquinhas e que se vestem muito bem (adoro o jeitão indie rock) tocando indie, pop e rock.


27 junho 2008

Velhos, Usados ou Híbrido. Escolha o seu!


Antes de subir no palco do Espaço Brasil Telecom neste domingo, os meninos da banda Velhos e Usados toparam responder umas perguntinhas para o Drops.
A banda falou sobre o show de lançamento do Cd, sobre suas influências e um pouquinho da antiga Patuléia.
Como a entrevista foi feita via e-mail, dois membros da banda conseguiram escapar. São eles o baixista Artut Lôbo (Didi) e o cara dos efeitos, escaleta e voz, Rodrigo Cavallare.

Ao lado o flyer do show que marca o lançamento do primeiro Cd da banda, Híbrido, que pode ser baixado tanto na página oficial, quanto no Trama Virtual.

Divirtam-se!!

Drops Cultural: Vocês lançaram o Cd pela internet em fevereiro. Por que o show de lançamento veio só agora, tantos meses depois?

Marco Pessoa:Esse é um processo que demanda a participação de muita gente, são vários fatores que têm que estar em sintonia pra que a coisa possa acontecer. As músicas estavam prontas em fevereiro, e nosso propósito era lançar tudo na rede antes de finalizar o CD físico. A partir daí tudo depende de prazos, dinheiro, correios, e no fim das contas o CD com encarte, na caixa, com código de barras, só chegou em nossas mãos da fábrica há algumas semanas. Paralelamente existe todo o trabalho de planejamento para o show de lançamento, disponibilidade de espaço, pauta, negociações. E o resultado foi esse, pareceu para nós um momento sensato, ainda no primeiro semestre - ainda que no finalzinho dele. Com disco pra vender junto com os ingressos do lançamento.

Diego Marx: ...
David Murad:Realmente o importante para nós era poder fazer o show de lançamento com o CD pronto na mão, efetivamente lançado.

DC:Esse é um dos mais importantes, (se não é o mais) na carreira da banda. Vocês podem destacar outros shows que os marcaram?

Marco:O show no Móveis Convida, pela estrutura e pelo público, o primeiro Lafusicando e o último show com o Lafusa, com eles o público sempre participa bastante.

Diego:O Móveis convida foi um importante show de fato... Mas destacaria também o "Despedidas do Steve", no Landscape... Importante festa do mundo underground que movimenta todo cenário artístico da cidade.

David:Destaco os eventos no Arena em que tocamos com Mombojó (2006) e com Paulinho Moska (2007), ambos artistas influentes para o Velhos. O 1º show com o Marco na batera foi marcante também! Até pelo local, o clássico Teatro Garagem. Ta bom... Tinham somente 10 pessoas na platéia, mas pula essa parte...


DC: Depois que o Radiohead lançou o In Rainbowns, várias outras bandas seguiram o mesmo modelo e disponibilizaram seus CDs para download. A idéia de vocês vem daí, ou já era uma vontade de vocês?

Marco:Nossa idéia de disponibilizar o disco já existia antes mesmo das gravações começarem. Nesse meio tempo o Radiohead fez o que fez.

Diego:Todas as gravações que fizemos, desde sempre, estão disponíveis na internet. Acho que a idéia do Radiohead foi inovadora para bandas Broadcasts, para bandas independentes isso já é muito comum há alguns anos...
David:Inclusive, fiquei sabendo que eles roubaram nossa idéia.

DC: Vocês também fizeram o "CD físico", geralmente quem baixa não compra. Como estão as vendas? O CD foi feito mais para a divulgação da banda em shows?
Marco:Não sei se quem baixa não compra. Muita gente não compra hoje em dia, ponto. Os motivos são vários, e acho que o principal é o preço. O CD era uma vontade nossa, e ainda achamos que é um meio indispensável, paralelo ao mundo virtual. Compra quem é fã, quem quer ter o CD e ouvir uma música que não foi liberada na internet, que gosta de ler as letras, ver encarte, colocar na estante. Além disso fizemos questão do preço ser bem acessível, e ele é um meio de divulgação da banda não só em shows: pra quem não conhece o Velhos, ele vale como um belo cartão de visitas. E você sempre pode dar um de presente.

Diego:As vendas ainda não começaram...

David:Na verdade, por hora, as vendas estão atreladas ao show de lançamento. Não tinha como ser diferente, nosso esforço atual é fazer esse show ser muitíssimo bom, acaba que o foco principal de divulgação tem sido ele. Os CDs estão indo no bolo. Após o dia 29, certamente teremos mais idéia do que é vender um CD que já está disponível na internet. Mas concordo com o Marco, quem compra CD independe de disponibilização virtual, afinal qual trabalho não é colocado integralmente na rede? Basta uma pessoa com um CD para fazer isso.

DC:Vocês pensam em fazer shows fora de Brasília ou estão concentrados na cidade?

Marco:Sim, bastante. Mas uma coisa de cada vez, com tudo planejado. Esse ano concentramos em Brasília, fizemos mais shows aqui em seis meses do que no ano passado inteiro. É importante pra consolidar um público na cidade, mesmo que por aqui isso seja bem difícil. Mas tem acontecido. Esperamos que cada pessoa recomende a banda para pelo menos duas, e por aí vai.

Diego: Marco disse tudo.

David:Não só desejamos fazer como precisamos fazer! E vai rolar...

DC: Qual a música que cada um de vocês mais gosta no Híbrido?

Marco:São todas muito boas. Meu last.fm diz que "O Carneiro e o Leão", "A Menina dos Olhos da Cor dos Cabelos" e "Alegoria" estão empatadas.

Diego:Gosto de "Reflexões Voláteis".


David:"Jeans" é aquela empolgação, em show é o ponto forte, "Carneiro(...)" já é clássica em meus ouvidos e não consigo enjoar, mas, no quesito beleza, "Trapos(...)" é minha favorita.

DC: Como são as composições? Quem são as cabeças? Ou todos dão um palpite, trazem uma letra, uma melodia?

David:O Híbrido tem vários compositores. Entre nossas músicas autorais Beto e Xande (do Móveis) são parceiros do Diego em Alegoria; Didi assina Meio Céu, também com Diego e, em uma das canções mais antigas do álbum, temos a participação de um velho parceiro de música: Vitor Sá, que, junto de mim e do Diego, tem seu dedo na Pequena Colméia de Dinossauros.
No processo de composição do Híbrido eu e Diego fomos os principais letristas, sendo que, pela repetição do nome, dá pra ver que a maioria leva a alcunha do doutor Marx.
Os arranjos, idéias, detalhes bizarros e etc. são, em grande parte, frutos de muita cabeça batida em ensaios e reuniões musicais de todos os cinco. A gente descobriu que consegue ter idéias interessantes quando nos juntamos para criar.

DC: O que vocês escutam? Quais as principais influências da banda?

Marco: É importante ouvir muita coisa. Ultimamente tenho escutado muito Loose Fur, e os últimos do Portishead e Radiohead. Eu escuto muita música desde criança, então enumerar influências fica complicado. Visitem meu last.fm e confiram, hehehe.

Diego:Boa Marco! O meu last.fm diz que eu escuto muito David Bowie, Queens Of The Stone Age e outros... Colocaria Kings of Convenience, Portishead, Nine Inch Nails e Moska na lista só pra completar.

David:Certamente nossas influências não se resumem ao que estamos ouvindo agora. O Marco disse bem, pois acredito que todos nós escutamos muita música desde cedo. Tenho grande influência do reggae em minha adolescência, hoje escuto muito rock, blues e jazz, mas no meu playlist vence o samba.

DC: Antes de trabalhar com "O Mundo" (André Abujamra, da banda Karnak), vocês cantavam "A Flor" (Los Hermanos) e já fizeram covers de outras músicas. No show com o Lafusa (na Livraria Cultural, dia 08 de junho), numa dobradinha com o Aloizio, cantaram "Móbile", do Moska. A pergunta é: Como escolher uma música para fazer o cover?

Marco: Nós tocamos Móbile de vez em quando. A escolha de covers tem muito a ver com o que achamos que pode ter a ver com o som da banda, ou algo que todos da banda gostam e que achamos que podemos dar uma cara nossa pra música. Passa a ser uma versão, e não necessariamente uma cópia.

Diego: Na verdade essa escolha é muito dolorosa, pois além de gostarmos da música ela tem que caber nos nossos moldes e formação. A gente muito dificilmente toca uma musica sem interferir na mesma.

David:É isso, procuramos algo bom que possamos revirar e dar nossa cara. Versão é uma nomenclatura mais ideal.

DC: Vocês mantêm contato com bandas de Brasília, inclusive foram os primeiros convidados do Lafusicando. Alguma pretensão em fazer um "Velhos e Novos", onde vocês apresentam bandas novas?
Marco:A banda já teve um projeto desse tipo, o Triunvirato, mas o seu nome é bem melhor, hehehehe. O Triunvirato não apresentava necessariamente bandas novas, mesmo porque a gente nem é tão Velho assim, somos mais uma banda "nova" pra muita gente. Queremos agir nesse sentido sim, mas evitando cair num lugar comum de coisas que acontecem na cidade. Quem sabe.

Diego:Certamente isso deve acontecer... Mas por enquanto, ainda somos "novos demais" para nos considerarmos velhos...

David:Gostaria de pedir os direitos autorais dessa sua idéia.

DC: Quando a banda começou vocês pensavam em continuar como banda, ou era mais uma coisa entre amigos?

Diego:Na verdade acho que sempre tivemos uma postura muito séria perante a banda, nunca foi considerada "banda de ensaio de fim de semana", a gente sempre ensaia religiosamente 3 vezes por semana no mínimo... Acho que este é um sintoma de quem leva a banda a sério.

David:Ficou sério tem bastante tempo. Acho que foi quando percebemos que não tínhamos mais dinheiro pra bancar uma brincadeira cara dessas!

DC: A banda está na terceira formação (certo?) e também mudou de nome. Desde o início até hoje, o que mudou no som?

Diego:Aconteceu uma ruptura na verdade... Esta é a segunda formação do Velhos e Usados (o antigo baterista Marlon Tugdual saiu pra dar o lugar ao Marco). Mas de fato o que aconteceu foi que eu e David tocávamos juntos em uma banda anterior que se chamava Patuléia, e esta emprestou o nome pro Velhos e Usados durante algum tempo... Mas, desde que 3 integrantes da Patuléia saíram da banda, restando somente eu e David, o que veio depois foi o Velhos e Usados, mesmo que não tivéssemos mudado de nome ainda.

DC: O Híbrido é diferente do que o público da Patuléia estava acostumado a ouvir. Eu mesmo, indo a alguns shows, vi a "mutação" de "Alegoria", uma das faixas do Cd. Por que e como a música foi passando por esses melhoramentos?

Marco:Essa evolução é natural, até se chegar em uma versão minimamente definitiva pra música. Mais ainda em uma faixa como Alegoria, que é mais antiga, e passou pelo processo do ingresso de um novo membro na banda, eu, no caso. Sempre aparecem idéias novas, maneiras novas de interpretar a música.

Diego:A verdade é que a gente é frenético por mudanças.

David:É fato. Se eu não controlo um pouco mudavam até o nome do disco.


DC: Embora vocês estejam tão presentes na internet (Myspace, Lastfm, Trama, etc.), ainda não têm um videoclipe. Quando vai rolar um?

Diego:Possivelmente semana que vêm...

David:Eu queria ser otimista assim. [risos]

26 junho 2008

Porão do Rock - Valores

O Porão do Rock ainda não divulgou todas as atrações, mas os valores dos ingressos já estão no ar. Os ingressos começam a ser vendidos nesta terça-feira.

Pista

PROMOCIONAIS LIMITADOS [ sexta ou sábado - 1.000 por dia ]

R$ 10,00 [ dez reais ] meia-entrada +1 Kg de alimento
R$ 20,00 [ vinte reais ] Inteira + 1 Kg de alimento

ANTECIPADOS [ sexta ou sábado ]

R$ 15,00 [quinze reais] meia-entrada +1Kg de alimento
R$ 30,00 [ trinta reais ] Inteira + 1 Kg de alimento

BILHETERIA [ sexta ou sábado ]

R$ 20,00 [ vinte reais ] meia-entrada +1 Kg de alimento
R$ 40,00 [ quarenta reais ] Inteira + 1 Kg de alimento

PASSAPORTE 2 DIAS ANTECIPADOS

R$ 20,00 [ vinte reais ] meia-entrada +1 Kg de alimento
R$ 40,00 [ quarenta reais ] Inteira + 1 Kg de alimento

PASSAPORTE 2 DIAS BILHETERIA

R$ 30,00 [ trinta reais ] meia-entrada +1Kg de alimento
R$ 60,00 [ sessenta reais ] Inteira + 1 1 Kg de alimento

Camarote

ANTECIPADOS [ sexta ou sábado ]

R$ 30,00 [ trinta reais] meia-entrada +1Kg de alimento
R$ 60,00 [ sessenta reais ] Inteira + 1 Kg de alimento

BILHETERIA [ sexta ou sábado ]

R$ 40,00 [ quarenta reais ] meia-entrada +1Kg de alimento
R$ 80,00 [ oitenta reais ] Inteira + 1 Kg de alimento

PASSAPORTE 2 DIAS ANTECIPADOS

R$ 50,00 [ cinquenta reais ] meia-entrada +1 Kg de alimento
R$ 100,00 [ cem reais ] Inteira + 1 Kg de alimento

PASSAPORTE 2 DIAS BILHETERIA

R$ 70,00 [ setenta reais ] meia-entrada +1Kg de alimento
R$ 140,00 [ cento e quarenta reais ] Inteira + 1 Kg de alimento

Pontos de Venda

Pizzarias Dom Bosco[ Águas Claras, 303 Sudoeste, Taguatinga, 103 Sul, 306N N
Lojas Chilli Beans [ ParkShopping, Píer 21, Pátio Brasil, CNB, Taguatinga Shopping ]
Loja Fun House [ Conic ]
Universo Tatto [ 311 Norte ]
GTR Instituto de Guitarra [ 111 Sul, 708/709 Norte ]
Loja Porão 666 [ atrás do Alameda Shopping ]
Abriu Pró Rock [ Gama Shopping ]
Internet [ em negociação ]


A seletiva para as bandas de Brasília também já está marcada. Será no Gate's Pub (403 sul) dias 11 e 12 de julho. Os shows, 08 por noite, começam às 21h.

Brad Pitt velho

O Curioso Caso de Benjamin Button chega aos cinemas americanos dia 25 de dezembro e está criando uma grande curiosidade no público, porque trás Brad Pitt velho.

O filme é baseado num conto de F. Scott Fitzgerald, onde um homem nasce velho e vai rejuvenescendo com o passar dos anos. Mais ou menos aos 50 anos, ele se apaixona por uma mulher, interpretada por Cate Blachet.


Brad além de contar com uma incrível produção de maquiagem, também teve emagrecer e engordar a pedido da produção do filme. Para ilustrar, duas fotos para vocês compararem.

O filme também conta com a participação especial de Shiloh, filha de Pitt com Jolie. A mocinha tinha apenas 11 meses quando contracenou com o pai. Será o início de uma carreira cinematográfica?


Parece ser no mínimo interessante, não? Olha o trailer:



Jolie há pouco também conversou com a Vanity Fair e claro, não deixou de falar do maridão: "Depois de meu último divórcio, decidi que me casaria com alguém que não fosse ator. Aí conheci Brad, tudo o que eu não estava procurando, mas o melhor homem, o melhor pai que eu poderia desejar. E agora? Não vejo ele como ator. Vejo-o como um pai, como alguém que ama viajar e que adora arquitetura mais do que estar em filmes.”
Eu adoro esse casal.

???










Quer entender o porquê deles estarem aqui? Descubra o mistério.

Legal para c*r*lh*, né??

Doc

Quem iria perder um documentário que trás Ringo Starr, Paul McCartney,Yoko Ono, Olivia Harinsson (viúva do beatle George Harisson) e o produtor Sir George Martin??? Só um louco, não é mesmo?
Você está duvidando da existência do mesmo? É verdade! O diretor Adrian Wills conseguiu gravar a interação do grupo aí em cima, na remixaxem da música "All Together Now" para espetáculo "Love" do Cirque Di Soleil.

"Todos juntos agora" é a tradução literal do documentário, que de acordo com o executivo da Apple não deve ser exibido nos cinemas. Mas calma, o mesmo executivo, Jonathan Clyde, garantiu que ele vai ganhar sua versão para DVD.

Enquanto você não pode assistir, que tal ver o clipezinho de "All Together Now"?

M M M ......

Vai viajar para Sampa e não sabe o que fazer? Então corre para o Motomix, que trás para os antenados no indie e no alternativo duas atrações de fora. A canadense Metric e o The Go! Team. Curti aí e me diz o que você achou.






O Motomix acontece neste sábado, dia 28, apartir das 15h, no Parque Ibirapuera.

24 junho 2008

Nota

Enquanto os meninos do Hives tão acham que vem pro Porão:


Os do Muse ainda vão à Brazilia:



O bom mesmo é saber que eles vem para cá! Clica em cima do nome das bandas para conferir no Myspace!

20 junho 2008

Novo Cd


O mais novo Cd na praça é o do Teatro Mágico, que tem um nome que nem remete a banda, 2° ato.

De acordo, com o release do Cd, 2° ato tem composições que colocam em debate o homem e a sociedade na qual vive. Então, espera-se algo mais maduro. Quer baixar? Corre pro Trama!
Se liga na participação especial de Zeca Baleiro.

19 junho 2008

Videoclipes


Fazia um tempinho que o Chuck Berry estava sumido. O cara voltou para fazer shows no Brasil. Brasília está de fora, como geralmente acontece. Chuck sai de São Paulo e segue para Curitiba.

Aqui, a gente faz uma homenagenzinha mostrando uma música bem conhecida, "Johnny Be Goode".


Para vocês já irem se animando... Marquem na agenda os show do Hives, dia 05 de setembro e do Nightwish, dia 11 de novembro, pasmem! Aqui em Brasília!!!



Finalizando os vídeos, vamos de Weezer.

16 junho 2008

O Escafandro e a Borboleta

"Um texto só existe depois de lido". Essa é uma das "falas-pensamentos" de Jean-Domenique Bauby, em O Escafandro e a Borboleta e é o grande mote do filme.

Jean-Do, como é carinhosamente chamado por grande parte do elenco, é editor da revista Elle francesa. Um homem de 42 anos, ativo, conquistador, com 03 filhos (de sua ex-mulher) e apaixonado por sua namorada, Inés. O que imaginamos? Um homem no auge, claro.

Sua vida passa por um reviravolta. Sem mais nem menos, Jean-Domenique sofre um derrame cerebral. Todo seu corpo fica paralisado, a única coisa que ele consegue mover é seu olho esquerdo. Ele sofreu da síndrome "locked-in". E é apenas com seu olho esquerdo, que Jean escreve o livro que dá nome ao filme, adaptado para o cinema no ano passado.
Sua ortofonista desenvolve um alfabeto difrente, com algumas letras mais usadas na língua francesa. Cada vez que alguém soletrava para ele, este quando ouvia a letra que desejada, piscava. Foi assim, com todo este trabalho que o livro foi lançado em 1997.

O Escafandro e a Borboleta é muito emocionante. Eu me vi com olhos marejados várias vezes e chorei (claro!). O filme começa muito agoniante. A primeira parte é toda assistida pela visão de Jean-Do. O que ele vê é o que você vê. O que ele sente é o que você sente. E você tem uma sensação de impotência impressionante.

Do filme, algumas coisas para mim não ficaram tão claras. Quando se retorna a vida de Jean-Do Bauby, você não entende muito bem o que se passou, mas sabe exatamente o que está se passando. Ás vezes (ou muitas vezes), você sente uma aflição tão grande por saber que mesmo sofrendo tudo aquilo, Jean-Do não vai sobreviver. Quando assisti À procura da felicidade, senti algo parecido, mas ao menos tinha o consolo de que Chris Gardner iria vencer.O Escafandro e a Borboleta se torna mais desolador quando você se dá conta disso.
O nome também foi muito bem escolhido. Numa das passagens do filme entendemos bem o que ele quer dizer. O escafandro, aquele velho aparelho de mergulho, é associado ao corpo de Jean-Do, que virou sua prisão. E a borboleta é a sua imaginação, que pode levá-lo para onde ele desejar.

O filme está em cartaz no Liberty (onde eu assisti), Academia e Águas Claras .

14 junho 2008

The Shaggs

Se você achou que já tinha ouvido todas as bandas ruins do mundo, calma, o pior ainda está por vir.

A The Shaggs nasceu depois que um pai coruja comprou uma bateria, uma guitarra e um baixo, deu para as filhas dele e disse: Toquem!

O cara gravou um Cd, fez um site e o comédia, ainda há link para ser o fã-clube e ele funciona como uma espécie de um blog. Tem até foto dos "papais" .


Sofram:

Vários III

Eu vi em vários blogs de pessoas sem tempo, que sempre rola um tal de "Vários", "Mistureba", "Leitura Aleatória" e por aí vai. Como eu estou começando a sofrer deste mesmo mal (ou bem), aqui vai um post com várias coisas.
Hoje o tema é música. Eu baixei três Cds dos lançamentos que tivesses há pouco. Além dos que vamos falar agora, o Weezer soltou seu Red Álbum semana passada e o Offspring lançou o deles ontem.

Mais abaixo, falamos do single que o Sigur Rós havia soltado em seu site para download gratuito. Essa semana, os felizes que tem um login lá no Last.fm puderam ouvir na íntegra o með suð í eyrum við spilum endalaust. Ainda dá tempo de conferir. Eu tentei ver o clipe no site deles, que acreditem, é o proibido para menores de 18 anos, mas não consegui.


O Cd que Fratellis, nossa segunda banda deste post, não tem muito haver com o primeiro, Costello Music. Nesse os meninos tocam um folk, country, pop. O nome do álbum é Here Were Stand e pode até ser que ele pareça meio igual, realmente tem umas músicas que vão remetendo a outra e a outra, mas o Cd é muito legal.


O último Cd é do Coldplay. O Cd foi lançado no Myspace, mas já pode ser baixado. Ele não tem muita coisa haver com primeiros Cds dos caras, mas me lembrou o último. Não há nada de inovador. Não há uma grande disparidade. A beleza do Cd, acho eu, é soar como o Coldplay. Vocês ainda vão ouvir a voz calma do Chris Martin, mas vão ouvir uns burburinhos difrentes, até porque ninguém vai fazer tudo igual. Do Viva La Vida or Death And All His Friends indico "Yes", a melhor do Cd. Aí, o videovlipe do single "Violent Hill".


13 junho 2008

Capa da Rolling Stone

Estou horrorizada!

A Inauguração

Já fazia um tempo que eu queria meu amigo Felipe desses as caras por aqui. Tudo isso porque ele tem um gosto musical foda e sempre me fala de bandas boas, das quais eu nunca ouvi falar.
Então, eu, espertamente, resolvi explorar o garoto! Aí embaixo, vocês vão conferir a primeira publicação de tantas outras que vem por aí.
Antes de lerem, mais sobre o cara: O Felipe parou a faculdade de Publicidade & Propaganda para se dedicar a alguns cursos na área e agora é o nosso primeiro colunista.
PS: Ele foi modesto quando falou no Drops, não?


Bem, demorou, mas aqui estamos. Pra vocês que não sabem o que rola nos "bastidores" do Drops, essa é uma idéia "antiga". Alessandra e eu (Felipe, prazer) já vínhamos com uma idéia de fazer algo juntos, em relação a um grande denominador comum entre ambos, a música. E cá estou eu, fazendo minha primeira participação, nesse blog que admiro bastante, e sempre nos traz boas dicas.

Vou começar com o rock, porque quase tudo começa por ele, não tem jeito. No decorrer da minha sede por novas bandas, encontrei duas, que diria no mínimo que são do C*R*LH*.
A primeira vem da grande Curitiba, que sempre traz bons filhos a meus ouvidos (Terminal Guadalupe, Faichecleres, Wonkavision, etc, etc...). A banda se chama Dissonantes (já ouviram?). E não, não percam tempo, entrem no site do Trama e baixe o Cd completo dos caras!!!
A primeira impressão que você pode ter ao ouvir o som é a de que voltou no tempo. Voltou para o tempo em que o rock’n’roll fervia dentro de quem fazia música. Aliás, as minhas últimas descobertas curitibanas fervem, e fervem muito com o rock’n’roll. Você vai ver que o rock não acabou (como diz um tópico da Alê), enquanto existir caras que acreditem na música, e não apenas na maldita fama e no maldito dinheiro.
O primeiro EP dos caras, já conta com a participação nada especial do ex-faichecler Giovanni Caruso, que canta "Eu vou te enganar", e tem a produção de Emanuel Moon, baterista da Relespública. O EP conta com 12 músicas, que vão do rock mais dançante, até a baladinha "As besteiras que eu fiz".É um Cd pra você ouvir de cabo a rabo sem reclamar de nenhuma faixa.



A outra boa dica que deixo na minha primeira passagem aqui, é outra banda que está resgatando o rock e salvando a vida do estilo. Trata-se do power trio de BH, Adílson Badaró (guitarra e voz), Lucas Sallum (baixo) e José Caputo (bateria), que se auto-intitulam, Radiotape. Com uma pegada pop, mas sem deixar de lado a agressividade e a homenagem estampada aos anos 60/70. O trio vem com uma pretensão até um pouco ingênua, que te faz ouvir a primeira música do Cd chamado Pequenas coisas me fazem feliz (esse CD me fez feliz) e num piscar de olhos perceber que o ele acabou.
O trio começou tão bem, que teve um empurrãozinho de ninguém menos do que ele, o... SENHOR F!!! Ele mesmo, aquele que deu uma super mão para os queridinhos gaúchos do Superguidis, para a garotada brasiliense dos Sapatos Bicolores, entre outras inúmeras bandas que tenho grande admiração e paixão pelo som que fazem, e pela atitude que tomam de fazer o bom rock e não deixar com o que o rock NÃO acabe. (Pelo menos por agora!)





Bem, essa é minha primeira contribuição para esse GRANDEpequenoporenquanto blog, espero que tanha deixado algo de produtivo.
Até a próxima, que não demora a acontecer.
Por Felipe Nunes.

12 junho 2008

Jolie em dois tempos


Angeline Jolie, mesmo grávida, não deixou de produzir. Claro que agora com o barrigão, ela deu uma paradinha, mas antes disso emprestou a sua voz a Mestre Tigresa de Kung Fu Panda, que deve estrear dia 04 de julho. O filme também conta com as vozes de Dustin Hoffman, Jack Black, Lucy Liu e Jackie Chan.




Jolie também está em O Procurado, que deve estrear daqui há duas semanas. Lá ela intrepreta uma mulher misteriosa, uma das integrantes da sociedade secreta "Fraternidade". O filme é uma adaptação de uma HQ de Mark Millar e ainda tem Morgan Freeman e James Macvoy.

09 junho 2008

MUSE no Porão!!!!

Depois de virar só uma especulação (uma especulação forte, diga-se de passagem) o Muse é uma das atraçaões do Porão do Rock deste ano. As outras três, já confirmadas, são Matanza (que todo mundo já sabia, porque o Jimmy fez questão de falar no show), Cachorro Grande e Suicidal Tendencies (EUA).

Uma novidade bacana é que acabou a tenda eletrônica. Graças a Baco alguém teve essa grande idéia!!! O Porão estava a cada edição (menos na última) ficando infestado de "playboys" e "patygirls" só por causa dessa tenda de sons repetidos. Ela dará lugar a um palco de música brasiliense. O que eu achei bom e ruim ao menos tempo.

Bom, porque vai dar mais espaço para as bandas locais e ruim, porque é foda cobrir 03 palcos! Mas.. O negócio vai ser fazer um esqueminha e perder os shows de algumas bandas.

Desde o ano passado, quando o Porão completou seus 10 aninhos, vimos o que a mídia chamou de "voltas às origens". Eu claro, pela minha idade e por ter um pai careta, não participei do Porão desde o início, mas vi sim, ele se totalmente deturpado.

A começar pelos preços. A entrada passou de ser franca e chegou até R$40,00 (se não me engano)!! Seguindo para a tragédia que foi mudar de 02 para 03 dias, afim de torná-lo mais democrático. O problema é que o tornou tão democrático que apareceram bandas que nunca deveriam ter pisado num dos palcos do Porão como Pitty, Dead Fish, Detonoutas, CMP 22, F.U.R.T.O (onde foi parar essas banda?), Luxúria (alguém tem ouvido falar dela?), para completar a bagaceira, só faltou a porcaria que é o Charlie Brown Jr. E eu juro que eu tinha pesadelos com esse dia. Bandas como essa acabaram apenas ofuscando o brilho de outras mais interessantes ou simplemsnte assustando o público, que não pagava para entrar. Foi assim que vimos numa noite com Titãs, Barão Vermelho e Skank ficar vazia.

"Voltando as suas raízes" sim e com tom de cala a boca, o Porão deste ano volta a ser o que nunca deveria ter deixado de ser, um festival que trás atrações de fora (sejam internacionais ou nacionais) e brasilienses para o conhecimento do público.

E é tão legal "descobrir" uma banda nova. Lembro da noite em que fiquei encatada com o The Bellrays e numa outra que me apaixonei pelo guitarrista do Dr. Sin.

É por tudo isso que esperamos um puta festival!

A primeira atração internacional confirmada, já mosta que o que estar por vim é ainda melhor.


Vamos falar do Muse então?

A banda está estouradaça na Europa e em julho começa uma pequena turnê aqui na América Latina. Já estão confirmadas, além do Porão, datas para Argentina (24/07) e Chile (26/07). Depois os caras voltam para terrinha, onde tocam em um festival.

Os ingleses Mathew Bellamy (voz, guitarra e piano), Christopher Wolstenholme (baixo) e Dominic Howard (batera) tem 09 anos de banda e estão fazendo um sucesso estrondoso. O último trabalho dos caras, por exemplo, foi uma Dvd ao vivo, chamado HAARP (que eu não consegui baixar) e os meninos já pensam em algo em estúdio, mas que não deve sair este ano.
O que eu baixei (para não passar em branco e poder ouvir com calma) foi só um Epzinho com 04 músicas.
Começamos com "In Your World", que abre o Ep com um lindo solo de piano, seguindo logo de um instrumental bem rock. Em seguida, vem "Dear Star" que me lembrou (repito: lembrou!!!) Slipknot.
É em "Futurism" que notamos a tal semelhança entre Mathew e Thom Yorke (Radiohead). No refrão me lembrei muito de "Fake Plastic Trees". Fechando a compilação, "Can't take my Eyes Off You". Sim, eles fazem isso e até que não fica ruim. A versão do Muse, no começo parece uma baladinha, daquelas que se escuta estalando os dedos, mas no refrão ganha aquela guitarreira!

Para finalizar: O Porão desse ano vai ser FODA!!!

Ele chegou!!!!!

Seja esperto e escute o novo Cd do Coldplay lá no Myspace!!

Eu já estou ouvindo.

Vampire Weekend

Há pouco mais de um mês, a notícia do momento era uma banda que misturava sons africanos com rock e se intitulava indie. A banda em questão era a Vampire Weekend.
Ela aparaceu em vários blogs por aí e eu acabei não dando muito atenção. Bisbilhotando, deparei-me com uma entrevista dos caras e gostei muito da simplicidade (pode ser que eu esteja errada) e da despretensão deles. Eles querem apenas tocar e se a galera gosta, melhor ainda!

Outra coisa que me chamou bastante atenção foram as raízes musicais. Os meninos, Ezra Koenig(vocal e guitarra), Rostam Batmanglij(tecladista), Christopher Tomson(baterista) e Chris Baio(baixista), desde pequenos escutavm músicas afriacanas e brasileiras. De acordo com Rostam, eles amam Mutantes (estamos falando dos Mutantes das antigas. Quando ainda tínhamos a Rita Lee no vocal).
Já está na hora sair em turnê pelo Brasil, você não acham? Será que vai ser no Porão ou no TIM?

Aí embaixo o último videoclipe dos rapazes, "A Punk".




Ah! E o linkão para o Myspace!A foto pequena foi tirada de um Flickr da vida.

07 junho 2008

O Rock Acabou? - Reload

Depois de escrever o post abaixo, acebei achando um artigo que dá ênfase ao que eu estou defendendo. Quem puder, dá uma olhadinha.

06 junho 2008

Agendão

Antes que vocês percam algum show por minha causa, chegou a nossa querida agenda.

Este mês as festas juninas é que vão dar o tom para maioria dos shows. Mas isso não quer dizer que o rock vá para espaço. Exemplo disso é o Forrock, que acontece neste sábado, lá no Arena. Além da banda Lorota Boa, que garante o forró e dos Djs Pezão e Montana, teremos a bem-vinda Mundo Livre S/A. Os ingressos estão R$15,00 (meia) e irão aumentar para R$20,00 (meia). Os pontos de venda são: Pizzas Dom Bosco (Sudoeste, 103 sul, 306 norte, Taguatinga e Águas Claras).

No mesmo dia, para desalento de quem curte as duas coisas, vai rolar a Festa da Arquitetura lá no Centro Comunitário da UnB. Os ingressos já custam R$20,00 e podem ser comprados no CA de arquitetura, no ICC Norte (Ceubinho) ou na Posto da Árvore (212 sul). A festa contará com três ambientes. Um palco principal onde tocam Indiana, F. Skar All Stars (eles estão ficando conecidos, hein?), Sapatos Bicolores e os Djs Amarelo e Bode(???). No segundo ambiente rola eletrônico, com Bonye&Clyde, [Andie], Otávio Chamorro, 141B e Konka. O último será o "Palco Brasil", que terá Oops, Barata, Indústria Brasileira (que se apresenta quinta-feira, dia 12, no Engate a Quinta), Dj A+MC HADDA, Confronto Soundsystem e Orquestra Mada Vida. Tem para todos os gostos, hein?

Dia 08 de junho, domingão, o programa é mais light. Para você que perdeu o primeiro Lafusicando, os meninos do Lafusa e Velhos e Usados fazem novamente a dobradinha. O show é 01 kg de alimento não-perecível e acontece lá na Livraria Cultura, no Casapark.

Na semana seguinte, quem está meio sem grana vai poder aproveitar o É NÓIS 9 - Farewell Brother McCoy, lá no Conic que vai trazer os Djs Telmo & Anselmo, Batidão Sonoro e a banda Nonato Dente de Ouro & O Esquadrão de Ébano. Além disso, a noite que começa às 22h30 lá em frente a Kingdom Comics, terá a exibição de dois curtas A Volta do Candango, Truculência e A Vingança da Bibliotecária. Será o lançamento???

No mesmo dia, (14 de junho) é a vez dos meninos do Criolina tocarem no arraiá lá no Arena. Estão convidadas nada mais nada menos que Casa de Farinha, Orquestra Contemporânea de Olinda e Buguinha Dub. Ainda não temos os preços dos ingressos, mas vocês já sabem que deve ser por volta de R$15,00, R$20,00.
Dia 15, o Box 16 da Multifeira deixa os sertanejos de lado e traz Hangar e Khallice para tocar muito rock n'roll. Os ingressos custam R$15,00 (antecipados) e R$20,00 (na hora). Está achando meio caro, né? Mas além deles, na mesma tarde (que vai até a noite, os shows começam às 17h) tocam Fierce Fire (Metallica cover), After Forever cover, Misanthrope Big Band e Scania (lançando o CD The Banza Field).

Pulando um final de semana e correndo para uma especial quinta-feira. O projeto Engate a Quinta, agora com novos preços (R$10,00 a meia e R$20,00 a inteira) vai trazer os gaúchos fófos do Superguidis para tocar no mesmo dia dos brasilienses do Bios de Gerião. Diz aí se num é uma noite quente? Pena que é tão longe. Está na hora de ter um ônibus que chegue até lá, hein?!

Para finalizar esta agenda, chegamos até o show de lançamento do Cd dos meninos do Velhos e Usados. Se liguem! Porque o evento que estava marcado para a Funarte, foi deslocado para o Espaço Brasil Telecom. Os ingressos custam R$8,00 (meia) e se você for esperto pode comprar por R$12,00 e levar a Cdzera dos caras! O show será dia 29!!


Opa! Depois disso tudo ficar em casa é tolice ou falta de carona!

05 junho 2008

E o disco da minha banda é...

Para quem não sabe eu formei uma banda com os meus amigos há pouco tempo. Era só por curtição, mas o negócio ficou sério e nós gravamos um Cd. O nome da banda é National Assembly of Burundi e o nome do nosso primeiro disco é They need to be instructed, que ainda não dá para ser baixado.

Mas eis a capa dele!

Aháááá! Peguei vocês! Post totalmente roubado do Pop Up!

O Rock Acabou?


Quem é esperto, leu a frase aí em cima e lembrou na mesma hora da música do Moptop. Não é especificamente dela que vamos falar, mas de uma série de reportagens que o Jornal do Brasil vem trazendo sobre a morte do rock and roll. Tudo isso, porque no Prêmio Tim de Música encontramos poucos representantes do gênero. Estavam concorrendo O Canastra, Pato Fu e Nação Zumbi (que abocanhou um dos prêmios).

E você? Acha que o rock morreu?

Na verdade, essa crítica do Jornal do Brasil vem em cima do que o rock mais repudia, tornar-se pop. Há tempos não temos bandas que movem multidões e que estão na mídia o tempo todo, isso é certo. Mas em que veículos os roqueiros deveriam estar?

O mundo alternativo a cada que passa vem ganhando mais espaço e ficando cada vez mais democrático. Ao invés de "superbandas", temos hoje bandas que querem divulgar seu trabalho fazendo shows, ou jogando material na internet.
O Rock até hoje é muito discriminado. Veja o Porão do Rock. O evento acontece há mais de 10 anos (faz 11 este ano) e foi adiado por falta de patrocínio.
Os tempos estão mudando. Claro que não vamos dar prêmio algum a um grupo que não tem nem 01 disco lançado, mas não podemos simplesmente desconsiderá-lo.
Uma banda não precisa aparecer no Faustão para ser conhecida. E será que é este tipo de público que ela quer atingir? Será que ela quer ser ouvida por pessoas que escutam uma música chamada "Créu" de um cara conhecido como "DJ Créu"???
Há outras maneiras de divulgação, mas tem gente que insiste em fechar os olhos.
O Tim realmente não levou muitos roqueiros, só que isso não quer dizer que o rock esteja morrendo.
Agora, é triste você ter que ler a seguinte declaração: "Rock tem mais haver com MTV, Multishow. Aqui no Tim é uma coisa mais adulta, mais solene. E adolescente é um saco!", João Barone, Paralalamas do Sucesso.

Eu me pergunto: "Será que todos os caras que estão no rock n' roll são meros adolescentes?".

Fica a pergunta e a reflexão. Para vocês que estão começando, ou que tem uma banda no meio alternativo, o mesmo Jornal fez o caminho do rock independente, que pode ser lido na página deles na internet.

Sex and the City

Ok, Sex and the City é filme muito esperado, mas o que eu tenho visto e lido é uma gana sem tamanho pelo filme. Que isso! Ele estrea essa semana e quarta-feira é só R$5,00 o cinema. Pow, relaxa e ... (Lembrou de alguma ministra?)

Videoclipe - Interpol

Curte essa lombra aí!


Sigur Rós

Eis que o novo álbum do Sigur Rós está quase pronto. Daqui a uma semaninha você já poderá baixá-lo, mas não será de graça. Os meninos na semana passada também colocaram uma música para download. Quer ouvir? Clica aqui!