13 janeiro 2008

Cat Power

Achei que era muita pretensão minha querer falar da Cat Power depois de conhecer apenas um Cd da moça. Fui então me informar mais e baixar alguns CD's de sua carreira, que começou em 94 com Dear Sir. Acho que posso falar com mais prioridade agora.Cat Power, ou Chan Marshall (foto), já gravou 08 CD's. Um fato curioso é que ela gravou seu primeiro e segundo CD (Myra Lee) no mesmo dia, mas eles foram lançados com um ano de diferença.


Dear Sir foi um dos CD's que baixei e que me pegou desprevenida logo na primeira música. Mesmo sem ter a letra em mãos me apaixonei de cara por "3 Times". Em 1996, Chan lançou What Would The Community Think e resolveu dar uma parada. Chan estava deprimida com seu sucesso, ou com a falta dele, e resolveu quase que fazer um retiro espiritual. Foi para uma casa no interior dos Estados Unidos e não quis mais saber de música. Entretanto, depois de um terrível pesadelo, ela voltou para o meio musical e gravou Moon Pix. Um CD triste, é verdade, mas tão gostoso de se ouvir... É neste CD que encontramos "Metal Heart".

A voz de Cat é avassaladora, às vezes doce, puxada, arrastada ou rouca, o que pode dar mais veemência à música ou simplesmente estragá-la.

Em 2000, ela lançou o CD The Records Cover. Como o próprio nome diz, Cat cantou covers como "Satisfaction", dos Rolling Stones, e "Paths of Victory", de Bob Dylan. E pasmem! O CD foi gravado em apenas dois dias!! Foi mais ou menos nesta época que Chan veio ao Brasil e fez o pior show que alguém poderia assistir. Ela estava tão bêbada que nem conseguia cantar as músicas. Depois veio You are Free, que contou com as participações de peso de Eddie Vedder e Dave Grohl. Considerado o álbum mais "rock" de Cat, encontramos "He war" e um videoclipe!





Chegamos então a The Greatest, considerado pela crítica o melhor álbum de Cat Power. Eu gostei muito. Chan passa mais segurança nas letras e principalmente na voz. As faixas destaques são "Empty Shell", "The Greatest" e "Lived in Bars" que é até mais feliz, saindo um pouco do que Chan é acostumada a cantar.


Agora longe das drogas e da bebida, Chan lança seu mais novo trabalho. Jukebox é uma continuação proposital de The Covers Records. Mas este CD não é apenas uma cópia barata das músicas que Chan resolveu "recantar". Ela pôs novos arranjos e trouxe músicas com novas roupagens, a exemplo de "New York, New York" que está irreconhecível. Não só de covers é feito este CD. "Song to Bobby", dedicada a Bob Dylan, e "Metal Heart" são de autoria da cantora, compositora, pianista, guitarrista e, nas horas vagas, poeta, Chan Marshall.
Mas... qual o estilo de Cat Power? "Blues contemporâneo"? "Rock independente moderno sem banda"? "Música independente moderna"? Essas foram as repostas que Cat deu em uma entrevista. Bom, se ela mesma não sabe se classificar imagine eu!!!


O fato é que ela é considerada "A" Diva do indie rock e merece o cargo.

Nenhum comentário: